Não importa quanto, o importante é poupar

Muita gente escreve fórmulas e mais fórmulas de como ajustar as finanças e poder poupar um pouquinho a cada mês. Economistas dizem que devemos poupar de dez a vinte por cento do nosso salário para o velho “pé-de-meia”, como é conhecido, e além deste, como ninguém sabe o dia de amanhã, eles recomendam que deveríamos ter no mínimo dez vezes o que ganhamos para o que vou chamar de “reserva de risco”. Esta será para possíveis imprevistos como a perda do emprego, acidente ou coisa parecida.

A “reserva de risco” é para custear as suas contas fixas enquanto você consegue um novo emprego ou recupera a saúde.

O que muita gente não sabe é que a nossa poupança só começa depois dessa “reserva de risco”, pois só assim poderemos juntar a fim de custear um sonho de consumo e ter uma vida despreocupada financeiramente.

A seguir, vou descrever algumas dicas para você começar a poupar o quanto antes. Não é preciso seguir à risca, pois quando se fala de finanças pessoais cada caso é um caso, o importe é poupar, não importa quanto, essa é a regra de ouro.

Antes de ler as dicas tenha em mente que:

1 – É preciso controlar os gastos, caso possua dívidas você tem que quitá-las, afinal guardar dinheiro devendo na praça não é poupança: é desperdício, pois o que se ganha com a poupança não cobrirá os juros do financiamento;
2 – Crie o hábito de pagar suas contas em dias, com força de vontade e um bom planejamento você vai conseguir.

Agora vamos às dicas:

1º – Calculando seus gastos

No período de um mês, anote todas as suas despesas consideradas normais (até os pequenos gastos). De posse desses dados separe por grupos como: habitação, alimentação, transportes, lazer e contas a pagar.

Some tudo e desconte o valor da sua renda. – Se não deu pra pagar, não fique surpreso, pois a maioria das famílias no Brasil está nesta situação, infelizmente. Descubra onde você esta errando e extrapolando seu orçamento doméstico. Para isso, utilize como base a tabela (logo mais abaixo) de orçamento perfeito desenvolvida por especialistas. Nela constam os percentuais que podemos gastar em cada grupo.

2º – Economizando parte do salário

Este para muitos é, sem dúvidas, o mais difícil, mas é preciso ter força de vontade e determinação. Estipule uma data para o pagamento (depósito) de preferência no dia em que você paga a maioria de suas contas e guarde uma parte na poupança.

Existem ainda umas regrinhas para isso, veja:

  • Quem tem filhos deve guardar 10% da renda. Se não tiver filhos, poupe o quanto mais puder;
  • Os casados sem filhos devem poupar até 30%, já esperando os herdeiros;
  • Já os solteiros que ainda moram com os pais o desejável é 50%;
  • Por fim, a minha classe, os solteiros que moram só devem poupar 30%.

3º – Atenção com os vilões do orçamento

Segundo o Estudo de Orçamentos Familiares, feito pelo IBGE em 2002, os gastos com habitação e alimentação são as que mais pesam no bolso dos brasileiros. Cerca de 70% do orçamento, isso em 2002, estima-se que hoje seja 80%. Se você entrou nessa estatística saiba que há solução.

4º – O aluguel

Segundo analistas financeiros, o recomendado é comprometer apenas (o que já é muito) 30% do orçamento com habitação. Boa parte do seu salário vai embora com aluguel, o melhor é planejar e investir na casa própria.

5º – Atenção no supermercado

Muita atenção nessa hora, boa parte do seu orçamento vai para o lixo, literalmente, caso não haja planejamento na hora de fazer as compras do mês.

De início elabore um cardápio semanal, logo terá em mãos uma lista dos ingredientes necessários, recomendo ainda ir uma vez por semana às compras com tudo já definido, inclusive o valor que poderá gastar e não caia no erro de usar o cartão de crédito para poder gastar um pouquinho mais. “Só lembrando que este erro é gravíssimo e você perde pontos R$ na cardeneta de poupança.”

Comece pelos itens essenciais como os da cesta básica, leve consigo, além da lista, uma calculadora e se o dinheiro acabar antes de colocar a cervejinha no carrinho, pare, feche os olhos e sinta o cheirinho do seu carro novo. Perseverança sempre!

6º – Evite compromissos desnecessários

Uma continha aqui, outra continha ali, o salário vai embora e não sabemos em quê. Não dá para se livrar da conta de luz, mas dá para ir à manicure quinzenalmente ao invés de semanalmente, ou passar uma água no carro semanalmente e pagar uma lavagem mais completa uma vez por mês. E o que considero mais importante, só faça um parcelamento por vez.

Por fim, confira abaixo o que os analistas de economia familiar consideram Orçamento Perfeito:

O cálculo abaixo foi baseado numa renda familiar de R$ 2300,00.

  • Transporte – 7,5%
  • Lazer – 5%
  • Gastos com os filhos – 7,5%
  • Reservas – 10%
  • Habitação – 30%
  • Alimentação – 30%
  • Contas a pagar (água, luz, telefone e etc) – 10%

É isso pessoal, não sei como esta sua vida financeira, essas regras são o desejável e como falei no início o importante é poupar qualquer valor todo mês.

Um abraço e boa sorte!

Veja também::

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *